Desconversas do SEF: uma epopeia [colocar o áudio em repeat]

A pandemia arrastou-nos para muitas outras pandemias. Uma delas, relativamente silenciosa, é a de milhares de casais bi-nacionais não casados que estão separados há quase um ano e sem solução à vista. 
Com o fecho de fronteiras em Março 2020 ficaram proibidas – a cidadãos externos à UE – as viagens por motivos de turismo, sendo apenas permitido viajar por motivos essenciais (profissionais, de estudo, de saúde, razões humanitárias ou de reunião familiar). Esta última, a reunião familiar, é lida pelos países de diferentes formas, geralmente estando restrita a conjugues e filhos. Mas, e os milhares de casais binacionais não casados?!

É a partir dos milhares excluídos da reunião familiar que surgiu a mobilização mundial Love is Not Tourism. Em Portugal, esta luta tem sido dura e quase sem espaço nos meios de comunicação, mas em Outubro de 2020 conseguiu que Portugal passasse a reconhecer casais binacionais não casados como viagem essencial. Mas essa directiva manteve esse reencontro na precariedade.Assim é a regra: o/a/e parceiro/a/e estrangeiro/a/e até pode viajar para Portugal e na fronteira deve comprovar a “relação estável e duradoura”, ficando depois à mercê do agente do SEF de reconhecer ou não a relação como legítima e merecedora de reunião familiar. Ou seja, os casais podem pagar centenas de euros por uma viagem e poderão ter que pagar novamente outras centenas de euros para regressar ao seu país caso a sua entrada em Portugal seja recusada.   
Em Fevereiro 2021, uma série de partidos recomendaram ao Governo a criação de condições que possibilitem o reagrupamento em Portugal de famílias e casais binacionais não casados que “assegure que a avaliação da possibilidade de deslocação para efeitos de reunião familiar efetuada a casais binacionais não casados seja feita em momento prévio à chegada do proponente a Portugal, com um intervalo de tempo suficiente à aquisição de voos e ao respetivo planeamento da vida familiar”. Até hoje não houve qualquer resposta por parte do executivo.

Um ano volvido, estes casais sobrevivem numa espiral kafkiana entre chamadas falhadas para o SEF e respostas de e-mail genéricas. O medo de uma viagem falhada e da desilusão do não reencontro, faz com que muitos aguardem a sentença do “juiz” em desespero. Enquanto isto o amor aguarda, à distância, e mantém-se vivo através de mensagens, video-chamadas, fotografias, cartas e presentes.

DRIM DRIM!
Ligou para o Serviço de Estrangeiros e Fronteiras, os nossos serviços encontram-se encerrados.”

Publicado por Rádio Gabriela

powered by Sirigaita Crew

One thought on “Desconversas do SEF: uma epopeia [colocar o áudio em repeat]

  1. Tenho vivido assim há 2anos o meu esposo está em Portugal e eu aqui no Brazil com meus dois filhos, tentei embarcar pra ai no último dia 11 mas fui empedida pela Cia aérea.

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s